EMPRESÁRIO RESPONSÁVEL

Depois de 18 anos como professor da FUNENSEG (Fundação Escola Nacional de Seguros) ministrando aulas técnicas de incêndio, lucros cessantes, riscos de engenharia, transportes, etc, acredito que o lado teacher hand me pegou. Não consigo transmitir mensagens sem conceitualizar, primeiramente o assunto, para que o ensinamento possa acontecer de forma racional. Foi a maneira que o tempo, junto aos alunos, se revelou mais eficiente. Adquiri o hábito de formação, onde primeiro substabelecemos a ideia principal para depois seguir com o detalhamento de tudo que a envolve.

O empresariado e o consumidor não são diferentes em relação ao que compreende o produto seguro. Nosso primeiro objetivo é atraí-los para o assunto usando o lado direito do seu cérebro. No caso, especificamente, para o empresário e consumidor de seguros, adiantamos um pouco mais a questão e vamos nos valer de duas frases que acreditamos que poderá sintetizar um ponto de equilíbrio muito interessante para estabelecermos este processo:

  • Transferir Responsabilidade;
  • Transferir Riscos. 

A primeira tem tudo a ver com aspectos culturais e filosóficos, mas é igualmente de cunho racional, do consciente inconsciente de todos nós. Ao falar de transferir responsabilidade tem a ver com a nossa personalidade, que vem de muito tempo, de achar. Você pensa que fez a coisa certa, que tomou a atitude correta, mas muitas vezes essa decisão vai estar dependente de alguém ou de algo, e é aí que reside o maior perigo ou a surpresa desagradável. 

A segunda, transferir riscos, tem a ver diretamente com a proposta que envolve o produto seguro. O irascível, imprevisto, acontecimento inesperado que transcende ou o previsível não evitável, situações as quais todos nós estamos sujeitos. Aqui é você no leme, tomando a decisão, transferindo ou não esses infortúnios para o produto Seguro. 

Para ser um pouco mais consultor de seguros do que professor, que a hora conclama, diria que é preciso valorizar mais esses momentos, estudar, planejar e elaborar um verdadeiro plano de coberturas e garantias adequado ao contrato de seguro e ao bem que desejamos proteger.

Não vamos fugir as nossas responsabilidades, nem negligenciar sua transferência, seguro é um produto profissional, um contrato de direito e obrigações, não pode estar apenas inserido em algum programa de network ou sofrer de desvalorização de outros interesses, inclusive pessoais.   

Shirtes Pereira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *