VALOR EM RISCO DECLARADO

A maioria não está nem aí! A nomenclatura integrante do mercado de seguros não está sendo observada e muito menos valorizada pelos corretores de seguros e por consequência fica muito distante do entendimento do proponente segurado. Diria ainda mais, que neste caso, do VRD e do LMI/LMR, que encontramos nos produtos fabricados pelas seguradoras, acabam por se tornar um “mito” e deixam de ser analisados e, por conseguinte vão desencadear em agravante que colocará em risco o desempenho e a liquidez do contrato de seguro.

Por tratar-se do quesito que está relacionado com o conhecimento técnico profissional, deveria merecer por parte dos corretores de seguros e, principalmente, do segurado, maior atenção e reflexão. Se o agente intermediário da contratação do seguro não faz vista, não conhece, não orienta, não pratica e, finalmente, não compartilha deste conhecimento, torna-se ainda mais difícil para o consumidor final – pessoa física ou jurídica – proceder a sua melhor avaliação e proteger de forma mais adequada o seu patrimônio.

O título de orientação VRD (Valor em Risco Declarado) é a principal informação que deve orientar o profissional e o segurado. A partir desta definição, a princípio de competência do segurado, o corretor de seguros deverá estabelecer o G&R da contratação. Ambos deverão definir o plano de cobertura e garantias que desejam transferir para o produto seguro. O VRD é uma declaração de dever do segurado, obrigatório, que represente a valorização do real valor patrimonial do(s) prédio(s), MMUI (Máquinas, Móveis, Utensílios e Instalações) e MMP (Mercadorias e Matérias Primas) se houver.

Podemos concluir então que o VRD é 100% do patrimônio segurado a preço/insumos de custo (reposição) de construção ou aquisição. Já o LMI ou LMR pode ser um percentual do VRD, geralmente no mínimo 40% no caso da valoração da garantia básica incêndio, cuja relatividade deve ser analisada e definida considerando-se a natureza do risco segurado, probabilidade de sinistro, condições técnicas do produto seguro, etc.

Outra nomenclatura encontrada nas propostas e apólices de seguro é o LMG (Limite Máximo de Garantia), que estaria mais para o LMI e LMR do que para o VRD.  O LMG também estabelece o limite máximo de indenização por cobertura contratada, mas também pode definir o valor máximo que a apólice se propõe em indenizar, considerando a garantia básica incêndio somada aos adicionais de lucros cessantes, por exemplo, ou, o valor máximo a ser pago pela seguradora com base na apólice, resultante de determinado evento ou série de eventos ocorridos em sua vigência, abrangendo uma ou mais garantias contratadas. Para complementar, diremos que o exercício dessas tarefas, está dentro do que chamamos de GERÊNCIA&RISCO, que requer conhecimentos e responsabilidade para ajudar o segurado a estar devidamente protegido.

Shirtes Pereira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *